Não existe brinquedo de menino ou menina – por Raissa Santos

Não existe brinquedo de menino ou menina – por Raissa Santos
Nem de menino, nem de menina, apenas brinquedos … 

De onde surgiu esse lance de “Brinquedo de Menino” e “Brinquedo de Menina”? 

Um imenso absurdo na minha opinião. 

Brinquedo é brinquedo, tem a função de divertir e educar as crianças. Há tantas outras coisas com as quais nós pais devemos nos preocupar, mas não com isso. 

Mesmo quando a criança brinca com um objeto socialmente identificado com o outro gênero, a inversão de papéis só existe na cabeça dos adultos. 

Preocupe-se em educar seu filho ou filha para que seja uma boa e honesta pessoa. 

Eduque seu filho ou filha para ser gentil com o próximo. 

Eduquem seus filhos para que não sejam preconceituosos.

Ensine-o, que RESPEITO, é algo de que o Mundo decadente em que vivemos, está precisando,  e lembre-se, não é o tipo do brinquedo, nem a cor da roupa que seu filho usa, que irá definir quem ele é ou sua opção sexual.

Brinquedo de todos
Nem de menino nem de menina

Heitor explica

A Raissa Santos, nossa Mamaezinha Moderna é mãe do Heitor e do Ben e é nossa colunista, temos muito orgulho desta familia 

Uma resposta para “Não existe brinquedo de menino ou menina – por Raissa Santos”

  1. Muito trabalho para comentar nessa merda. Creio que ninguem vai ler. Mas to afim de desabafar aqui. Estava no google procurando fotos sobre masculinidade e feminilidade e me deparo com essa criança bonita e sorridente, parecido com meu filho inclusive, segurando uma boneca e um trator. Acho que que o trator deve ser o presente que o avô comprou para a irmã dele e a boneca o pai comprou para ele de presente. Então como não existe brinquedo feminino ou masculino, ele está brincando com os dois. Percebe a falácia? Ainda não? Então responda a pergunta do fenômeno sociológico como base projenetora de absolutos: por que a sociedade qualifica a boneca como feminina? Por que todos são idiotas? E de repente esse pensamento, com carinha de moderno, metido a intelectualizado, vem dizer que não há referência sexual nos brinquedos? Então não há nas pessoas? Não há nas cores? Não há no toque? Não há no ritmo? Por mais difícil que seja traçar a linha do feminino e masculino em todas as nuanças da vida, aquilo que a sociedade vem aderindo como identidade de gênero, no sentido impessoal, não pode ser jogado fora.
    Amanhã estarei numa escola Brasileira, particular, colocando a boca no trambone para todo mundo ouvir que ser menino é diferente sim de ser menina. E isso não é intolerância religiosa é lógica, já tentou encaixar a tomada “macho” numa parede que não fosse “fêmea”? Cara, é ridículo essa discussão. Eu tento levar a sério, mas é muita burrice e inconsistências de bosta. Fico com raiva pq a criança cresce sem saber o que é ser homem besse mundo. O que é ser mulher. Essa é a tragédia de uma masculinidade cada vez mais fraca, incapaz e afeminada. O movimento feminista se tornou vítima da sua própria premissa, não são são igualitários, mas exclusivistas. Enfim. Não vou me explicar. Foi desabafo mesmo. E essa porcaria é pública, mas espwro que nem chegue ao público. Pois os que quero alcançar estarão me ouvindo felizes amanhã, pois já tenho essa graça com a galerinha. Seja mulher! Seja homem! Chega de sofrimento e confusão de gênero que só é bonitinho na tv, mas para quem vive o dilema… sooofre ein. Paz!

Deixe uma resposta